06 agosto 2013

Resenha: A Culpa é das Estrelas

"Hazel é uma paciente terminal. Ainda que, por um milagre da medicina, seu tumor tenha encolhido bastante — o que lhe dá a promessa de viver mais alguns anos —, o último capítulo de sua história foi escrito no momento do diagnóstico.

Mas em todo bom enredo há uma reviravolta, e a de Hazel se chama Augustus Waters, um garoto bonito que certo dia aparece no Grupo de Apoio a Crianças com Câncer. Juntos, os dois vão preencher o pequeno infinito das páginas em branco de suas vidas." Site de "A Culpa é das Estrelas"

Gente, sério: QUE LIVRO MARAVILHOSO! A Culpa é das Estrelas prende o leitor de uma maneira que, se você não está lá, grudadinho no livro, tá com certeza pensando nele. Não tem nada daqueles sofrimentos de mocinha - triângulos amorosos ou fins de namoro que mais parecem o fim do mundo. A história é sobre um drama real, e isso a torna mais fantástica. E Hazel, ao contrário das mocinhas de outros livros, que choram e se descabelam por mínimos problemas, continua ali: sempre forte. E a forma como ela e Gus se apaixonam faz você se apaixonar também.
A linguagem que o autor John Green usa é muito pessoal, muito sua. Fácil de reconhecer e entender. Conseguiu escrever uma história com tema forte de maneira leve, simples e gostosa de ler. 
 Você que ainda não leu, ou começou agora: se prepara pra chorar!  

“Alguns infinitos são maiores que outros... Há dias, muitos deles, em que fico zangada com o tamanho do meu conjunto ilimitado. Eu queria mais números do que provavelmente vou ter.”

2 comentários:

Educação e respeito em primeiro lugar!

© Cogumelo Cintilante - 2014. Todos os direitos reservados.
Criado por: Jaque Domingues.
Tecnologia do Blogger.
imagem-logo